Avançar para o conteúdo principal

Vocabulário "in"

Da pequena-maior:
Agora deu para usar o termo "sexy" assim como quem diz "bom dia".
Ontem perguntei-lhe se ela achava mesmo que aquelas calças eram para ser vestidas daquela maneira, com as dobras em baixo todas mal feitas e ainda por cima sujas ao que responde "ya mãe é sexy".

Da pequena-mais-pequena:
A caminho dos seus 3 anos estou mesmo a ficar velha caduca possa...agora deu para dizer feio quando não lhe agrada qualquer coisa.
Por exemplo se a chávena tem só leite é feio porque não tem chocolate.
Para o que gosta diz que é fofo!
Então fiquei a saber que o champô novo tem um cheiro...fofo!
O que aprendo lá por casa...

Comentários

  1. hehehe...Também nós já usamos esses termos não foi?!

    ResponderEliminar
  2. Eheheheh :D :D Demais!
    Bjnhos autora ;)

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Ahahhh tão queridas...vai-te preparando para outras expressoes daqui para a frente como "ya" :P

    Bjos, fica bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem quero pensar muito nisso, eh eh!
      Beijinhos às Pitinhas

      Eliminar
  5. Manias que elas apanham =P

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Concorda, discorda, sei lá,mas deixa aqui a tua opinião!

Mensagens populares deste blogue

Lados

Ha sempre dois lados em cada história.
Um dos mais desafiantes sentidos da nossa personalidade (para quem a tem) é sermos capazes de nos colocar do outro lado.
Pode ser algo demorado.
Pode demorar o tempo de sabermos a historia tal como ela é.
Sem rodeios.
Sem espinhas.
Depois é so tirarmos as nossas conclusoes.

Testemunho de uma lutadora nata

No Haiti encontra-se a psicóloga Ana Estrada, uma "menina" desde sempre fantástica, determinada, de sorriso nos lábios.

E foi desta forma que cresceu.

Com o passar dos anos deixei de a ver.

Vi-a ontem na TV, não pelo melhor motivo.

Encontra-se no Haiti, e por lá ficará para ajudar (ou dar o seu melhor) no que for possível...vindo da parte dela nem se esperava outra atitude.

Deixo o link da sua entrevista, vale a pena ver um relato de uma sobrevivente lutadora!


Entrevista Ana Estrada

Ecos em palavras

Não me envergonho deste amor pela escrita.
Não tenho porque o fazer sequer...sou assumida em tudo o que faço e gosto, temos pena!
Com o lançamento e publicação do meu livro aprendi que nunca é tarde para as nossas vontades serem satisfeitas.
Era uma vontade com 8 anos e meio, na verdade o livro estava escrito desde 2006, mas foi ficando lá por casa, espalhado entre móveis e pc´s.
Ia escrevendo à medida da minha vontade.
Se estivesse junto do pc escrevia mais um e outro parágrafo do que já estava escrito, mas se estivesse sem acesso ao pc escrevia em papéis, guardanapos de papel, post-it´s....sempre que me ocorria qualquer coisa que pudesse acrescentar mais sentido a tantas letras...
Nunca reli o que ia escrevendo, sentia o eco das palavras assim que as idealizava em papel.
Pouco ou nada me importo com o que pensam sobre o que lêem, da mesma maneira que pouco ou nada me importo com o que pensam a meu respeito.
Julgamentos e opiniões não são problema meu mas de outras pessoas.
Eu sei q…